Riscos do remédio para emagrecer

0

Riscos do remédio para emagrecer

A busca pelo corpo perfeito para atender aos padrões de beleza impostos pela mídia e idolatrado pela maioria das pessoas pode levar a situações perigosas, como dietas sem acompanhamento médico e remédios para emagrecer sem prescrição e orientação de um especialista.

Os remédios para emagrecer não são fórmulas mágicas para perder alguns peso. Na verddae, eles podem ajudar no emagrecimento, como um complemento junto às mudanças de hábitos da pessoa.

Como funcionam os remédios para emagrecer

Os medicamentos para emagrecimento ajudam no processo de perda de peso ao diminuir apetite, aumentando a sensação de saciedade. Como cada organismo pode agir de um modo diferente, é importante que o paciente tenha acompanhamento médico.

Como perder peso

Para ter uma silhueta mais fina é preciso aliar o uso de remédio para emagrecer com um novo modo de viver, ingerindo alimentos saudáveis e fazendo exercícios físicos.  Atualmente, os brasileiros podem fazer uso de dois medicamentos aprovados pelo Ministério da Saúde, o orlistat e a sibutramina.

Riscos da sibutramina

O medicamento pode aumentar a pressão e os batimentos do coração. Por essa razão, é contra indicado para quem tem diabetes tipo 2, hipertensão, colesterol alto, doenças no coração ou transtornos psiquiátricos. As fórmulas manipuladas de remédios para emagrecer são menos nocivas, porém é preciso ter cuidado, pois elas podem apresentar substâncias desconhecidas para o paciente, como o colágeno e extrato de planta.

Remédios naturais para emagrecer

Há ainda remédios conhecidos popularmente como naturais e que auxiliam no emagrecimento. No entanto, eles podem conter substâncias fortes e alguns apresentam até hormônios. Esses remédios podem provocar desmaio, agitação, aumento da pressão arterial, convulsão e até derrame cerebral e infarto.

Perigos do uso dos medicamentos para emagrecer

A dependência química é um dos efeitos que remédios para emagrecer podem trazer. Além disso, a pessoa pode cair no famoso efeito sanfona. Em geral, estão inclusos nos inibidores de apetite, efeitos colaterais como: taquicardia, sensação de boca seca, insônia, ansiedade e depressão. Já os medicamentos saciantes podem provocar boca seca, prisão de ventre, insônia, taquicardia, tontura, enjôo, depressão ou diarréia.

O médico que acompanha o paciente tem a sabedoria e o conhecimento de indicar o uso de medicamento aliado à dieta, caso haja necessidade, visando o risco/benefício. Na briga pelo peso ideal, um conselho vale para todas as pessoas: a reeducação alimentar e a prática de atividade física são importantes e configuram é a melhor alternativa para ficar mais feliz com o corpo de forma saudável.

 

Recomendados para você:

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA